Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008
O ciclo da castanha ....

Todos os anos, quando o sol começa a ficar mais inclinado, os dias mais curtos e as noites mais longas, e as folhas começam a deixar as árvores com os troncos despidos, completamente nuzinhos e com os braços gritando para os céus a perda daquelas mãos verdinhas, outrora carregadas de clorofila e agora amarelecidas, costumamos ser abençoados com uns dias calmos e cálidos, como que nos avivando as saudades dos dias quentes de Verão.

 

 

Durante uns dias, somos brindados com tempo ameno, como que para nos permitir uma preparação psicológica para o tempo das camisolas de lã, dos sobretudos quentes, mas pesados, dos gorros enfiados até às orelhas, dos impermeáveis e dos guarda-chuvas.

Neste período sobressai uma das árvores outrora mais importante de Portugal.

 

O Castanheiro:

 

É uma árvore de grandes dimensões que atinge 20 a 30 metros de altura (por vezes mais) e de folha caduca. O porte é geralmente imponente com um tronco espesso e uma copa semi-esférica, mais ou menos alongada. O tronco é liso nos primeiros dez-quinze anos, mas a casca rapidamente se fendilha criando linhas pouco profundas que, com o envelhecimento das árvores, faz com que o tronco mais pareça estar torcido.

 


 

As folhas verdes brilhantes, lanceoladas (em forma do bico de uma lança) e dentadas (com a margem das folhas com pequenos dentes) e estão dispostas alternadamente sobre os ramos. O comprimento é variável mas é comum atingirem os 20 cm de comprimento e mais de 5 cm de largura. Do pé das folhas saem durante um período variável entre Maio e Julho os amentilhos (cachos de flores amarelas) que parecem iluminar a árvore, razão porque em algumas zonas do país lhes chamam candeias.

 

 

O forte odor destas flores atrai abelhas e outros insectos que, juntamente com o vento, transportam o pólen de umas árvores para outras. O desenvolvimento dos frutos dá-se no interior de um invólucro espinhoso - ouriço.

 

 

Em cada ouriço desenvolvem-se normalmente três castanhas de forma cónica mais ou menos achatada.

 


 

A partir do início de Outubro os ouriços abrem e libertam as castanhas que caem no chão.

 

 

Do fruto das variedades que as populações foram seleccionando e que as mão hábeis foram enxertando, é obtido um rendimento importante com a sua venda quer para produto de luxo da culinária e confeitaria, quer para farinhas de rações pelas suas qualidades nutritivas. Nas regiões de produção é um importante alimento, quer para pessoas quer para animais, nomeadamente para o porco e perú cujo "acabamento" é feito com castanha.
 

 

 



publicado por barroja às 09:16
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De ANTONIO ASSUNÇÃO a 20 de Outubro de 2008 às 14:22
Bonita descrição do castanheiro ou seja da maravilhosa castanha, gostei desta leitura força amigos continuem a postar nas nossas terras á tanto para escrever assim tambem se ensinam os mais novos Parabens.

Antonio Assunção
VOZ DO GOULINHO


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Expansão !

Mais um ano para o futuro...

O silêncio "nem sempre" é...

Assembleia Geral da colec...

Almoço do 43º Aniversário...

Regresso !

A Liga dos Amigos de Barr...

Querem provar ?

O ciclo da castanha ....

Barroja de novo mais pobr...

arquivos

Março 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

pomares(1)

rosmaninho(1)

serra do açor(1)

soito da ruiva(1)

todas as tags

links
A Barroja no Google Maps

View Larger Map
A Barroja diz:

O Tempo por cá
Contador de visitas

Ver Estatisticas
blogs SAPO
RSS