Segunda-feira, 28 de Abril de 2008
As abelhas e o mel




A Apiterapia é uma ciência tão antiga como a própria história do Homem, consistindo na aplicação dos produtos da colmeia no tratamento e manutenção da saúde humana.

O complexo mundo das abelhas, exerceu desde sempre um grande fascínio sobre o Homem. Pinturas rupestres, datadas do período Pleistocénico comprovam este mesmo interesse, retratando o Homem como recolector e consumidor de mel.



A utilização dos produtos da colmeia no tratamento de doenças e infecções diversas parece ser, também, bastante antiga. De facto, alguns testemunhos credíveis falam do uso do pólen como estimulante sexual por sacerdotes assírios, 3000 A.C. Na Índia, no Zimbabué e no Antigo Egipto também se podem encontrar exemplos desta utilização.

No início da era cristã vários escritos gregos e romanos falam sobre os poderes curativos e cicatrizantes da própolis. Os vários tratados médicos, do século XII ao século XV, mencionam o uso medicinal do mel, da cera e da própolis.



Na época contemporânea e nos países ocidentais o valor da apiterapia decaíu, e é apenas a partir da segunda metade da década de 50 que, nos países da antiga União Soviética, começam a aparecer alguns medicamentos elaborados à base de produtos apícolas, principalmente geleia real.

A Apiterapia tem suscitado um crescente interesse por parte do público consumidor (mercê do desenvolvimento da fitoterapia), público esse que está disposto a pagar um preço mais elevado por produtos de primeira qualidade e no seu estado natural.

MEL

A composição química do mel depende de vários factores, dos quais se salientam: a espécie de abelhas, tipo de solo e de flora e o estado fisiológico da colónia.
De um modo geral podemos dizer que o mel é constituído por três componentes essenciais: água (17%), glúcidos (80%) e substâncias diversas (3%), como aminoácidos, proteínas, enzimas, ácidos orgânicos e matérias minerais .

A cor do mel reflecte a sua composição, sendo tanto mais escuro quanto maior é o teor de substâncias minerais presentes.

Alguns dos produtos utilizados pelo Homem no combate a agentes causadores de doenças nas abelhas, podem contaminar o mel. O uso destes medicamentos, pela sua acção profiláctica e estimulante da vida da colónia, provoca antibiorresistências, exigindo o emprego de doses sempre maiores de fármaco, aumentando progressivamente os riscos de poluição do mel pelos seus resíduos. Outro problema que convém frisar é a poluição do mel por pesticidas. De um modo geral, a concentração encontrada não parece constituir riscos para a saúde humana.

Propriedades terapêuticas do mel:

O mel é fundamentalmente reconhecido como elemento energético, devido à sua composição em açúcares simples, facilmente absorvidos e transformados em energia pelo nosso organismo. A elevada concentração de açúcares presentes no mel, conjuntamente com a sua acidez, inibem a proliferação de agentes patogénicos. Assim, é-lhe reconhecido êxito no tratamento de: queimaduras, úlceras e feridas de difícil cicatrização, onde exerce a sua acção analgésica, anti-inflamatória e estimulante da reprodução celular.

A presença conjunta do cálcio, fósforo e magnésio fortalece a consistência óssea e favorece a tonificação muscular. O ferro em combinação com outros elementos, normaliza a composição sanguínea, enquanto que o potássio é responsável pela regularização do sistema vascular.

As enzimas presentes no mel estimulam o processo digestivo e têm acção benéfica em múltiplos processos metabólicos, no nosso organismo.

O mel pode ainda ser utilizado na profilaxia e terapia da gripe, pois torna o organismo mais resistente às infecções causadas por bactérias e vírus. Possui também poder anti-séptico e bacteriostático, inibindo o crescimento e desenvolvimento das bactérias.

Investigações recentes revelaram que diversos elementos constituintes do mel e da própolis têm propriedades anti-cancerígenas, apesar de não se saber como actuam no combate e destruição das células cancerígenas já existentes.

O mel pode ser administrado:

a) por via oral, curando ou reduzindo os transtornos intestinais, as úlceras do estômago, as insónias, males da garganta e certas afecções cardíacas;

b) em uso externo, cura queimaduras, feridas e afecções rinofaríngeas, graças à inhibina que lhe confere propriedades bactericidas;

c) em injecção intravenosa, onde o mel é preparado especialmente com o objectivo de combate à icterícia e desregulações na eliminação de urina.

É importante na alimentação infantil, pois facilita a retenção do cálcio, activa a ossificação e saída dos dentes e é ligeiramente laxante. No entanto, em pessoas sensíveis pode provocar urticária.

ALGUMAS PROPRIEDADES DOS MÉIS MONOFLORAIS

Mel de cidreira

Efeitos calmantes no geral. Acção antiespasmódica, adstringente e soporífera.

Mel de urze

Propriedades antirreumáticas, diuréticas e de protecção contra os cálculos biliares.

Mel de eucalipto

Indicado nas afecções das vias respiratórias. Tem também efeitos balsâmicos.

Mel de alecrim

Efeitos benéficos no reumatismo, gota, cirrose, epilepsia, vertigens e síncopes.

Mel de azinheira

Propriedades antiasmáticas, contra afecções nos brônquios e nos pulmões.

De tudo o que foi referido anteriormente, é importante reter que o mel, sendo um alimento natural com um largo espectro de aplicações, deve ser mantido o mais puro possível, o que significa que, devem ser evitadas quaisquer acções que levem à introdução na sua composição, de substâncias que possam diminuir e/ou alterar as suas propriedades energéticas e mesmo farmacológicas.


publicado por barroja às 22:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Expansão !

Mais um ano para o futuro...

O silêncio "nem sempre" é...

Assembleia Geral da colec...

Almoço do 43º Aniversário...

Regresso !

A Liga dos Amigos de Barr...

Querem provar ?

O ciclo da castanha ....

Barroja de novo mais pobr...

arquivos

Março 2009

Fevereiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

pomares(1)

rosmaninho(1)

serra do açor(1)

soito da ruiva(1)

todas as tags

links
A Barroja no Google Maps

View Larger Map
A Barroja diz:

O Tempo por cá
Contador de visitas

Ver Estatisticas
blogs SAPO
RSS